Artigos Mais Lidos

As Sereias E A Psicanálise

Title: Brazilian Mermaid Artist: Henrique Vieira Filho
Title: Brazilian Mermaid Artist: Henrique Vieira Filho

Neste artigo de Henrique Vieira Filho, ele discorre sobre o Sereismo do ponto de vista psicanalítico, artístico e como filosofia de vida.

Henrique Vieira Filho em um exercício lúdico de Sereismo, Arte e Psicanálise
Henrique Vieira Filho em um exercício lúdico de Sereismo, Arte e Psicanálise

Um dos poderes positivos da mídia é o de despertar a curiosidade sadia sobre alguns tópicos universais, como por exemplo, a Mitologia das Sereias e ampliar o conhecimento da diversidade.

A novela de uma grande emissora televisiva trouxe ao conhecimento do público em geral, mais uma “tribo” moderna: a dos adeptos do Sereismo, ou seja, pessoas que são fascinadas pelo mundo aquático e que exteriorizam esse amor em suas atitudes ecológicas, no uso de acessórios com cores, formas e temáticas de ambientes marinhos e fluviais e, até mesmo, nadam caracterizados como sereias e tritões.

Existe certa semelhança com as “tribos” urbanas de “vampiros” (pessoas que apreciam as atividades noturnas, roupas de época, a sensualidade e até organizam campanhas de doação de sangue, que até usam próteses dentárias para melhor se identificar a estas personas…).

Seria caso de “fuga” da “realidade” ou um exercício lúdico e criativo de conexão ao seu mundo interior? Cada caso é um caso! Toda generalização é injusta e devemos manter a mente e os corações abertos para o entendimento.

Mirella Ferraz e a obra Brazilian Mermaid de Henrique Vieira Filho
Mirella Ferraz, o principal nome do Sereismo no Brasil e a obra Brazilian Mermaid de Henrique Vieira Filho

A Psicanálise dos Contos de Fadas é um estudo obrigatório a todo Terapeuta: desenvolve o raciocínio analítico, amplia a capacidade de interpretar os sonhos e de compreender o inconsciente coletivo.

Se usar um “filtro” freudiano para estudarmos as sereias, a conotação com  a sexualidade, incesto, castração e figura materna seriam bastante consideradas. Afinal, uma figura que, na porção superior, é humanamente encantadora e sedutora, mas, que em sua região baixa possui um impeditivo ao sexo… abre as possibilidades de interpretação tal qual tal qual ocorreria nos complexos de Édipo/Electra (sim, eu sei que Freud não apreciava essa nomenclatura feminina…).

Assim sendo, lidar com nossa porção sereia/tritão seria um chamado para compreendermos e transcendermos esta fase da vida.

Se enxergarmos com olhos “junguianos”, o leque de possibilidades interpretativas se amplia ainda mais. 

Todas as variáveis do Sereismo apontam para a Anima – Yin (o lado feminino de nosso ser): água, sedução, beleza, feminilidade, fluidez… 

De certa forma, podemos compreender as diversas sagas (nosso mergulho” no inconsciente, a busca pelo autoconhecimento…) em que figuras heróicas (nossa porção Animus – Yang) vão ao salvamento de “donzelas em perigo” (nossa própria “metade” feminina…), enfrentando poderosos e misteriosos seres, dentre os quais as sereias, que aqui seriam também facetas de nosso feminino, não raro “herdadas” das figuras maternas de nossa infância.

Outra interpretação plausível para as sereias e tritões seria análoga às dos centauros (Quíron, inclusive…): a conexão entre o transcendental e o material, entre o consciente e o inconsciente, superego e id, aspirações da alma e as do corpo… ou seja, a parte humana (região superior do corpo) e a parte primitiva/animal (a porção peixe…).

Claro que, todo esse amplo leque de possibilidades ora aberto é uma forma de “generalização” e, como tal, tendo a falhar quando nos deparamos com os casos, que são sempre individuais e ÚNICOS.


O Sereismo do ponto de vista psicanalítico, artístico e como filosofia de vida. Documentário de Ruth Dos Santos, com Henrique Vieira Filho, Thiago Sguoti e Sereia Lúthien

Alguns estudiosos consideram que as lendas milenares, de tradição verbal, dizem muito sobre o inconsciente coletivo, enquanto que as histórias mais recentes e de autoria conhecida falam mais sobre o próprio escritor.

Em “A Pequena Sereia”, de Hans Christian Andersen,  ele retrata a vontade de sofrer a dor e a mutilação (perda da cauda da sereia e sua voz) como condições para casar com um príncipe.

Enquanto alguns interpretam como uma metáfora sobre o desenvolvimento sexual feminino, muitos aí projetam os conflitos homossexuais do próprio Andersen, dentro do conceito de Freud do papel da ansiedade de castração no complexo negativo de Édipo. 

Se assim for, as questões sexuais não resolvidas de Andersen podem ter sido a inspiração da história..

Um olhar junguiano analisando “A Pequena Sereia” encontraria projeções da busca transcendental de Anderson, onde a sereia é recompensada por seu altruísmo, transmutando a própria morte física e conquistando uma alma imortal entre as filhas do ar.

Em suma, não existe uma regra interpretativa que sirva para todos as pessoas,em todos os seus momentos. O livre pensar deste artigo é tão somente um exercício para manter nossa mente interpretativa atenta e o coração receptivo, sem julgamentos.

Pontuando que, é claro, CLIENTE é quem busca ESPONTANEAMENTE nossos serviços profissionais e, como tal, pressupõe que espera de nós, uma análise e interação e. JAMAIS nenhuma forma de “julgamento” (nem positivo, nem negativo)…

…Para satisfazer aos mais pragmáticos, podemos emprestar um pouco da praticidade sugerindo um repertório básico de questões a serem inseridas no contexto de atendimento de um Cliente que seja adepto do Sereismo.

  • Sente-se feliz? 
  • Necessita de  cada vez mais tempo dedicado a esta prática para se sentir bem e, na impossibilidade de vivenciar o Sereismo, apresenta ansiedade, irritabilidade, insônia e desconforto?
  • Está negligenciando as demais atividades sociais, profissionais ou de lazer na dedicação ao Sereismo?

Em suma, alguns questionamentos (e não “julgamentos”…) convencionais que seriam aplicados em qualquer situação de comportamento, para detectarmos até que ponto é (ou não…) uma “fuga” de algo, e como podemos integrar esta faceta da personalidade.

Afinal, é sadio transitarmos entre diversas “personas” (facetas de nossa personalidade…), mas, o que pode se tornar um problema é quando nos “fixamos” ou nos limitamos a tão somente uma: seja a “persona” do “Sereismo”, seja a de “Mãe”, seja a de “Artista”, seja a de… “Terapeuta”!

Na abordagem holística, tudo é menos “acaso” e muito mais SINCRONICIDADE! 

Então, se o Sereismo se transformou na pauta midiática do momento, vamos aproveitar construtivamente e estudar ainda mais sobre o fascinante universo dos Arquétipos, pois, em cada mito, espelhamos um pouco mais de nós mesmos!


Pinturas de Henrique Vieira Filho, obras literárias de Mirella Ferraz, artes de Thiá Sguoti e músicas de Sereia Lutien, em releituras mútuas.

Referências

ANDRADE, Cássia R.X. “Educação Biocêntrica: vivenciando o desenvolvimento organizacional”- Fortaleza: Banco do Nordeste,2003

AKERET, Robert U. – Photoanalysis: how to interpret the hidden psychological meaning of personal and public photograph. New York: Wyden, 1973.

_________ .Photolanguage: How Photos Reveal the Fascinating Stories of Our Lives and Relationships. New York: 2000

BAPTISTE, Alain e BÉLISLE, Claire. Dossie Photolangage – Prévention et Santé, Ed. Organisation, França, 1994

BÉLISLE, Claire. Le Photolangage – Communiquer En Groupe Avec Des Photographies, Chronique Sociale, França, 2014

BURGESS, Mark; ENZLE, Michael E.; MORRY, Marian – The social psychological power of photography: can the image-freezing machinemake something of nothing?. Canada: John Wiley & Sons, Ltd., 2000

CAMPBELL, Joseph. As Transformações dos Mitos Através do Tempo. São Paulo: Cultrix, 1992.

_________ . O Herói de Mil Faces. São Paulo: Cultrix, 1992

_________ . As Máscaras de Deus – Mitologia Primitiva. São Paulo: Palas Athena, 2004.

_________ . Mitos, Sonhos e Religião. São Paulo: Ediouro, 2001.

_________ . As Transformações dos Mitos Através do Tempo. São Paulo: Cultrix, 1992.

CAVALCANTE, Ruth. A Educação Biocêntrica – Dialogando No Círculo De Cultura; Revista Pensamento Biocêntrico; Pelotas,2008

CONGER, John P. Jung e Reich – O Corpo Como Sombra. Summus Editorial, São Paulo, 1993..

CONTI, Silvia Regina – Imaginação Ativa e Imaginação Dirigida Na Clínica Junguiana. Dissertação apresentada à Banca Examinadora da Pontifícia Universidade Católica, São Paulo, 2016.

DIAMOND,  Hugh  W.  – The Face of Madness: Hugh W. Diamond and the origin of psychiatric photography. Brunner/Mazel: New York, 1976.

_________ . On the Application of Photography to the Physiognimic and Mental Phenomena of Insanity  (lido  ante  a  Royal  Society  em  22 de maio de 1856) em GILMAN, Sander L. The Face of Madness: Hugh Diamond  and  the  Origin  of  the  Psychiatric  Photograph.  Brunner/Mazel  Publishers, New York, 1977.

_________ . On The Simplicity of the Catotype Process em Notes and Queries vol. 8 (17 Dec), 1953.

DIDI–HUBBERMAN. Georges, Invención de L’Hiysterie: Charcot et L’iconographie Photographique da la Salpêtriére, Macula, Paris, 1982

DUNKER, C. I. Len. Crítica e ideologia em tempos de pós-verdade”. 2017. Disponível em: https://www.ip.usp.br/site/noticia/a-psicanalise-como-ciencia.  Acesso em 27/07/2022.

FINK, Bruce. Introdução Clínica à Psicanálise Lacaniana. São Paulo. Editora Zahar, 2018

FREUD, Sigmund. Esboço de Psicanálise. Edição Standard Brasileira das Obras Completas de Sigmund Freud, vol. XXIII. Rio de Janeiro: Imago, 1996. 

_________ Construções em análise. Edição Standard Brasileira das Obras Completas de Sigmund Freud, vol. XXIII. Rio de Janeiro: Imago, 1996

_________ Sexualidade feminina. Edição Standard Brasileira das Obras Completas de Sigmund Freud, vol. XXI. Rio de Janeiro: Imago, 1996. 

_________ O mal-estar na civilização. Edição Standard Brasileira das Obras Completas de Sigmund Freud, vol. XXI. Rio de Janeiro: Imago, 1996. 

_________ O futuro de uma ilusão. Edição Standard Brasileira das Obras Completas de Sigmund Freud, vol. XXI. Rio de Janeiro: Imago, 1996.

_________ O ego e o id. Edição Standard Brasileira das Obras Completas de Sigmund Freud, vol. XIX. Rio de Janeiro: Imago, 1996

_________ Conferências introdutórias sobre Psicanálise, parte III, Teoria geral das neuroses: conferência XXI – O desenvolvimento da 

libido e as organizações sexuais. Edição Standard Brasileira das Obras Completas de Sigmund Freud, vol. XVI. Rio de Janeiro: Imago, 1996

_________ Sobre as teorias sexuais das crianças. Edição Standard Brasileira das Obras Completas de Sigmund Freud, vol. IX. Rio de Janeiro: Imago, 1996. 

_________ Atos obsessivos e práticas religiosas. Edição Standard Brasileira das Obras Completas de Sigmund Freud, vol. IX. Rio de Janeiro: Imago, 1996.

GIL, Cláudia Aranha. A Oficina De Cartas, Fotografias E Lembranças Como Intervenção Psicoterapêutica Grupal Com Idosos; Tese: USP, São Paulo, 2010.

GILMAN,  Sander  L.  Disease and Representation: Images of Illness from Madness to Aids. Cornell University Press, Ithaca and London, 1988.

_________ .  The Face of Madness: Hugh Diamond and the Origin of the Psychiatric Photograph. Brunner/Mazel Publishers, New York, 1977.

HALKOLA, Ulla. Spectro Cards In Therapy And Counselling – A Guide For Using Photo Cards – Turku, Finlândia, 2011

HALL, James A. A Experiência Junguiana. São Paulo, Cultrix, 1989.

HANNAH, Barbara, Active Imagination: as developed by C.G.Jung. Santa Monica: Sigo Press, 1981 (Encounters with the soul).

HEDGES, LAWRENCE E.; HILTON, ROBERT e HILTON, VIRGINIA W. – Terapeutas em Risco – Perigos da Intimidade na Relação Terapêutica, Summus Ed., 1997.

JACOBI, Jolande – Complexo – Arquétipo – Símbolo. São Paulo, Cultrix, 1986.

JOHNSON, Robert A., Sonhos, fantasia e imaginação ativa: a chave do reino interior. Trad. Dilma Gelli. São Paulo: Mercuryo, 1989.

JUNG, Carl Gustav. Livro Vermelho. São Paulo, Martins Fontes, 2015.

_________ . Psicologia e Alquimia. São Paulo, Vozes, 1991

_________ .Obra completa de C. G. Jung: Caixa (Português). São Paulo, Vozes, 2011

KALFF, M. Dora – Sandplay: A Psychotherapeutic Approach to the Psyche. Hot Springs – Arkansas, Temenos Press, 2004

MANN, W. Edward. Orgônio, Reich e Eros, São Paulo, Summus Editorial, 1989.

MARKEY; Christopher- Yin-Yang. São Paulo, Cultrix, 1987.

MASPERO, Henry – Le Taoisme et les Religions Chinoises. Paris, Ed. Gallimard.

MELO DE ARAÚJO,  Márcia e BARROS DOS SANTOS, Reica. Arteterapia Transpessoal, Edição das Autoras, Fortaleza, 2010

MIYUKI, Mokusen – Versão e comentários – A Doutrina da Flor de Ouro. 5. Paulo, Pensamento, 1990.

MILGRAM, Stanley, The Image-Freezing Machine. In The Individual in a Social World: Essays and experiments, Addison-Wesley: Reading, MA, 1977

_________ , The Individual in a Social World: Essays and Experiments, Pinter & Martin Ltd., England, 2009

MORENO, J. L. Psicodrama. Tradução: Álvaro Cabral. 2. ed. São Paulo: Cultrix, 1978.

_________ . Psicoterapia de grupo e psicodrama. Tradução: José Carlos Vitor. Gomes. 3. ed. Campinas: Livro Pleno, 1999.

MORISON,  Alexander.  The Physiognomy of Mental Diseases  (1958)  em  Classics  in  Psychiatry,  advisory  editor  Eric  T.  Carlson.  New  York:  Arno  Press, New York Times Company, 1976.

NATOLI, Adan.  Using Ambiguous Images to Clarify Life Situations, Psychology Department, Rider University, 2012

PEARSON, Carol S. e MARK, Margaret. O Herói e o Fora da Lei, São Paulo, Cultrix, 2003

PEARSON, Carol S. O Despertar Do Herói Interior, São Paulo, Cultrix, 2003

PETERSON, J. Sinergia entre Arteterapia e psicodrama: interligando os mundos externo e interno.In: Gershoni,J. (org) Tradução Moysés Aguiar. Psicodrama no século 21 – aplicações clínicas e educacionais. São Paulo: Ágora, 2008.

PINTO, J. M. Resistência do texto: o método psicanalítico entre a literalização e a contingência. Ágora, v. IV, n. 1, p.77-84, jan/jun 2001. Disponível em: https://www.scielo.br/j/agora/a/WcpNZPzXPXB3dpvYYGzh47j/?lang=pt. Acesso em 27/07/2022.

RAMALHO, C. M. R. Aproximações entre Jung e Moreno. São Paulo: Editora Ágora, 2002.

REICH, William. Psicopatologia e sociologia da vida sexual. Vol. 1. Porto: Escorpião, 1977. 

_________. Psicologia De Massas Do Fascismo. São Paulo: Martins Fontes: 2001. 

_________. Análise Do Caráter. São Paulo: Martins Fontes, 2004a. 

_________. A Função Do Orgasmo: Problemas Econômicos Sexuais Da Energia Biológica. São Paulo: Brasiliense, 2004b. 

RHYNE, Janie. Arte e Gestalt: Padrões Que Convergem, Summus Editorial, São Paulo, 2000

SANTOS JÚNIOR, Paulo Sérgio. A Fotografia Na Psicologia: Metassíntese De Teses E Dissertações Brasileiras, Universidade Federal de Alagoas, 2018

SCHMIDT NETO, Álvaro A. A fotolinguagem como metodologia transdisciplinar. In: (Org.). Resiliência, criatividade e inovação: potencialidades transdisciplinares na Educação.Anápolis: Editora UEG, 2013

SONTAG, Susan. On Photography. Anchor Books: New York, 1990

TABONE, Márcia – A Psicologia Transpessoal. São Paulo, Cultrix, 1987.

VACHERET, Claudine. (org) Photo, Groupe et soin Psychique. Lyon: PUL, 2000

_________ . Pratiquer les médiations en groupes thérapeutiques. Paris: Dunod, 2002.

_________ . A Fotolinguagem: Um Método Grupal Com Perspectiva Terapêutica ou Formativa. São Paulo. Psicologia. Teoria e Prática, v. 10, 2008.

VIEIRA FILHO, Henrique. Fotopsicoterapia – A Fotografia Como Instrumento Terapêutico. São Paulo, Sociedade Das Artes, 2020.

_________ . O Microcosmo Sagrado. São Paulo, Lumina Editorial, 1998.

_________ .Tutorial Terapia Holística. São Paulo, Sintebooks, 2002.

_________ .Marketing Para Consultórios de Terapia Holística. São Paulo, Sintebooks, 2003.

_________ .Psicoterapia Holística – Um Caminho Para Si Mesmo, São Paulo, Livroteca, 2019.

VON FRANZ, Marie-Louise, A imaginação ativa. In: Psicoterapia. Trad. Cláudia Gerpe Duarte. São Paulo: Paulus, 1999.

WEIL, PIERRE – Holística: Uma Nova Visão e Abordagem do Real – Ed. Palas Athenas, São Paulo, 1990.

_________ , O Corpo Fala, Editora Vozes, São Paulo, 1999.

WHITMONT; Edward C. – A Busca do Símbolo. São Paulo, Cultrix, 1990.

ZIZEK, Slavoj – Como Ler Lacan – São Paulo, Editora. Zahar, 2010

Sobre o Autor:

Henrique Vieira Filhohttps://henriquevieirafilho.com.brcontato@henriquevieirafilho.com.br(11) 982946468

Henrique Vieira Filho é artista visual, agente cultural (SNIIC: AG-207516), produtor cultural no Ponto de Cultura “Sociedade Das Artes” (SNIIC: SP-21915), diretor de arte, produtor audiovisual (ANCINE: 49361), escritor, jornalista (MTB 080467/SP), educador físico (CREF 040237-P/SP) e terapeuta holístico (CRT 21001).

http://lattes.cnpq.br/2146716426132854

https://orcid.org/0000-0002-6719-2559

Na Terapia Holística, atuou como jornalista e terapeuta que se dedicou por mais de 25 anos à normalização da profissão, gerenciando entidades como o  SINTE – Sindicato dos Terapeutas (sindicato), CRT – Conselho de Auto Regulamentação da Terapia Holística (ONG), dentre outras.

Defensor da auto regulamentação profissional, onde as próprias categorias desenvolvem suas regras técnicas e éticas, elaborou as Normas Técnicas Setoriais Voluntárias da Terapia Holística (Código de Ética, incluso).

Responsável direto pela implantação da Residência em Terapia Holística no Serviço Público de Saúde em 09 cidades (em SP, MG e SC), comandou as equipes para atendimento OFICIAL e gratuito à população com arteterapia, auriculoterapia, psicanálise, acupuntura, terapia floral, yoga, tai-chi-chuan, cromoterapia, fitoterapia, dentre muitas outras técnicas.

Autor de mais de 20 vinte livros sobre técnicas terapêuticas, atualmente dedica-se em ministrar cursos e às suas artes.

Sobre o Autor

Henrique Vieira Filho é artista visual, agente cultural (SNIIC: AG-207516), produtor cultural no Ponto de Cultura “Sociedade Das Artes” (SNIIC: SP-21915), diretor de arte, produtor audiovisual (ANCINE: 49361), escritor, jornalista (MTB 080467/SP), educador físico (CREF 040237-P/SP) e terapeuta holístico (CRT 21001).

http://lattes.cnpq.br/2146716426132854

https://orcid.org/0000-0002-6719-2559

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *